Saiba administrar o dinheiro sem ter sustos

Saiba administrar o dinheiro sem ter sustos

Muitas pessoas enfrentam dificuldades em administrar o dinheiro. Problemas com dívidas, juros, contas a pagar e a sensação de que o salário nunca é o suficiente são muito comuns.

Independentemente da situação econômica, a maioria dos brasileiros encontra sérias dificuldades para se organizar financeiramente, não sabendo ao certo como administrar seu dinheiro da melhor maneira, gastando mais do que ganha e se complicando cada vez mais.

As grandes dificuldades para as pessoas começarem a se planejar financeiramente são justamente a indisciplina e a falta de conhecimento da própria situação financeira.

Porém, existem maneiras simples para que aos poucos o hábito de administrar o dinheiro se incorpore em sua rotina e passe a virar uma prática cotidiana. É o que mostraremos nesse artigo. Confira!

A importância de manter um controle financeiro pessoal

Você já pensou o que seria de uma empresa que não tivesse controle sobre suas próprias finanças? Que não tivesse um orçamento mensal, uma estrutura de custos e receitas e um controle de fluxo de caixa?

Certamente faltaria dinheiro para pagar salários e fornecedores, as dívidas se acumulariam e a empresa iria a falência.

A mesma condição se aplica às pessoas. Se você não estabelecer um controle financeiro pessoal, assim como uma empresa, não saberá exatamente quanto ganha e quanto gasta por mês.

Suas finanças estarão destinadas a um descontrole, e, consequentemente, a um endividamento constante.

Da mesma forma, para crescer de forma consistente, toda empresa precisa se programar financeiramente ao realizar investimentos.

Tal situação também se aplica da mesma forma para as pessoas, que precisam se planejar e adequar o orçamento para realizar a compra de um carro, uma casa ou viagem.

Por isso é tão importante controlar e saber tudo sobre a sua renda e, principalmente, sobre como você gasta.

Os benefícios de se adotar um controle financeiro pessoal e administrar o dinheiro são inúmeros. Veja abaixo alguns deles:

Não viver em função do dinheiro

Tendo uma noção exata de quanto você gasta, ganha e do quanto economizará e investirá por mês, você passará a comandar a situação.

Sendo assim, você terá tranquilidade para se planejar financeiramente a longo prazo e realizar algum objetivo pessoal no futuro.

Mais tranquilidade

Controlando suas finanças, suas dores de cabeça por conta de dívidas, contas a pagar e falta de dinheiro no final do mês diminuirão drasticamente.

Isso causará menos preocupações e estresse e, certamente, te proporcionará uma vida mais tranquila e saudável.

Melhora no seu estilo de vida

Ao se preocupar mais com o que está gastando, você deixará de consumir itens e serviços que não são indispensáveis, mantendo apenas o essencial.

Obter uma segunda renda

Sabendo gastar direito e se planejando para economizar uma quantia todo mês, você aos poucos juntará um montante que poderá ser aplicado sob a forma de investimento, gerando uma renda adicional passiva no futuro.

Dicas para administrar o dinheiro da melhor forma

Se você ainda não sabe bem como controlar suas finanças da melhor maneira, não se preocupe. Montar um bom planejamento financeiro não é nenhum um bicho de sete cabeças.

Com disciplina e determinação suficientes é possível reverter esse jogo e cuidar melhor do seu bolso. O importante é começar. Confira abaixo algumas dicas que vão ajudá-lo a melhorar sua relação com o dinheiro!

Anote todas as suas despesas e descubra quanto você gasta por mês

O primeiro passo para poupar dinheiro é saber exatamente quanto você está gastando. Durante um mês, mantenha um registro de tudo o que você gasta.

Com a ajuda de uma planilha financeira – eletrônica ou não – e uma calculadora, coloque tudo em uma lista, elucidando primeiramente as despesas com necessidades básicas, como alimentação e higiene, seguido de contas a pagar, saídas, compras, mensalidades, etc.

Liste absolutamente tudo que representa uma despesa para você, e isso significa tudo mesmo: cada café, cada jornal e cada lanche que você comprar durante todo o mês. Se você tem família e outras pessoas que dependem da sua renda, convença-os a fazer o mesmo.

Dessa forma, será mais fácil observar como estão distribuídos seus gastos, sendo possível identificar quais deles são desnecessários ou não.

Você ficará impressionado quando perceber o quanto seus custos mensais podem fugir do seu controle. Mantendo seu bolso em dia com o seu orçamento, você saberá exatamente como e onde pode poupar e o dinheiro começará a sobrar no final do mês.

Compare seus gastos com sua renda e corte o desnecessário

Agora que você tem uma boa ideia de quanto você gasta em um mês, você já consegue construir um orçamento para planejar suas finanças.

Para isso, encontre qual é o valor exato que você tem disponível por mês. Não se deve considerar aqui o que se recebe de salário bruto, mas sim o quanto realmente é depositado em conta, após os vários descontos como impostos, prestações, taxas, entre outros.

Considere também as rendas extras que você possa receber regularmente.

Se o valor do que você ganha é menor ou próximo dos seus gastos, analise onde é possível fazer cortes. Defina qual despesa é prioridade em sua vida: gastos com lazer, por exemplo, são passíveis de serem diminuídos e substituídos por atividades gratuitas ou mais baratas.

O foco aqui é manter apenas aquilo que não é supérfluo: despesas essenciais, como moradia, saúde e alimentação devem ser priorizadas no orçamento.

Estabeleça uma porcentagem de sua renda para ser guardada

É importantíssimo que você comece a poupar o mais cedo possível. No início não precisa ser muito, mas tenha em mente que é sempre bom ter, pelo menos, uma reserva para quando precisar.

Analise seu orçamento e, com base nos seus ganhos e gastos, estabeleça um valor a ser guardado por mês.

O mais recomendado é que seja algo que seja entre 10% a 30% de sua renda. Assim você conseguirá ter condições para realizar investimentos e dar passos mais largos no seu planejamento financeiro.

Lembre-se que emergências e apertos financeiros podem aparecer a qualquer hora. Principalmente no caso de famílias com crianças pequenas e idosos, já que podem haver gastos com medicamentos, material escolar, etc.

Por isso, é importante reservar uma parte da renda bruta da família mensalmente para este fundo de emergência. Assim, você não corre o risco de ter que recorrer ao cheque especial, cartão de crédito ou empréstimo pessoal para arcar com uma despesa inesperada.

Use um aplicativo de controle financeiro

A ajuda de um sistema automático de controle financeiro pode ser muito útil na missão de organizar suas finanças e criar uma poupança duradoura.

Eles ajudam a mostrar mais claramente quais são suas receitas e despesas, demonstrando quais são seus maiores gastos e auxiliando no planejamento dos seus orçamentos mensais.

Guarde dinheiro em função de seus objetivos

Defina metas para aquilo que você guardar. O que você quer fazer com esse dinheiro? Aplicar para se aposentar mais cedo? Investir em uma viagem ou nos seus estudos? Comprar uma casa?

Com base nesses objetivos, a tarefa de juntar dinheiro se torna menos abstrata e mais concreta, ficando assim mais fácil de ser realizada.

Será de acordo com a suas metas que você saberá como administrar melhor aquilo que você poupa.

Por exemplo, se o objetivo é pagar a faculdade do seu filho quando ele completar a maioridade, o recomendado a se fazer é começar a poupar e investir desde cedo uma certa quantia mensalmente para chegar ao valor total desejado.

Comece com coisas menores e fáceis de se atingir, como guardar dinheiro para uma reforma ou comprar algum bem de consumo.

Com o passar do tempo, você pode evoluir e passar a estabelecer metas a longo prazo, como comprar uma casa ou abrir um negócio próprio.

Evite colocar metas impossíveis ou muito fora da realidade, pois elas acabam por tirar sua motivação e desvirtuam seu planejamento.

Evite ao máximo o consumismo e gastos desnecessários

Muitas pessoas compram produtos supérfluos sem pensar no impacto que isso pode causar em seu orçamento no final do mês.

Antes de comprar algo é importante avaliar se o produto é mesmo necessário, se o preço está adequado e se caberá dentro daquilo que você estabeleceu de orçamento para o mês.

Cultive o hábito de levar um estilo de vida mais frugal, deixando para gastar seu dinheiro apenas com aquilo que terá importância real em seu cotidiano, evitando fazer compras por impulso.

Uma boa forma de se evitar que você compre além do que necessário é fazer uma lista de compras. Toda vez que você sair para comprar, anote o que você quer adquirir em uma lista e só compre o que estiver escrito nela.

Se essa regra for seguida com a devida disciplina, ela evitará que você compre o que não precisa e ajudará a controlar seus impulsos consumistas.

Não acumule dívidas e compre sempre à vista

Procure evitar ao máximo a formação de dívidas. Se você tem alguma, livre-se dela o mais rápido possível para não ficar refém dos caríssimos juros de financiamento. Se estiver com o orçamento apertado, negocie melhores condições com o banco e dê prioridade ao pagamento das contas com os juros mais altos.

Opte por comprar à vista sempre que possível. Em vez de parcelar seu pagamento você pode negociar um desconto ao pagar diretamente no momento da compra e ainda economizar o valor da prestação que pagaria por vários meses.

Se pegar um empréstimo ou usar o cartão de crédito for inevitável, faça antes uma pesquisa dos juros que serão cobrados nos vários bancos e financeiras e calcule qual será o valor total a ser pago em cada um. Certifique-se de que será um bom negócio e não use o crédito por impulso.

Invista o que for poupado

De nada adiantará conseguir juntar um dinheiro no final do mês se ele continuar parado e perdendo valor. Para começar a administrar seu dinheiro da melhor forma, você tem que começar a fazê-lo render.

Avalie bem as possibilidades de investimento e pesquise qual o seu perfil de investidor, pois existem diversos tipos de investimentos e, certamente, algum deles se encaixará no seu orçamento.

O seu perfil será baseado na quantidade de risco que você está disposto a assumir e mostrará quais as opções certas de investimento para você.

Pessoas mais agressivas devem dar preferência a papéis mais arriscados, ao mesmo tempo que os investidores conservadores optarão por aplicações mais seguras e estáveis.

Sendo assim, é importante que, antes de tudo, você também se informe bem sobre o universo dos investimentos para poder escolher melhor a alternativa correta para aplicar seu dinheiro.

Lembre-se de que ao escolher investir em determinada opção, você acaba perdendo a oportunidade que outros tipos de investimento te dão.

Por exemplo, ao adquirir um papel de menos risco, você terá uma rentabilidade menor. Por outro lado, ao comprar ações na bolsa de valores. por exemplo, o risco será maior que os títulos de renda fixa (como Tesouro Direto e de poupança), mas ao mesmo tempo com uma perspectiva de retorno bem maior.

Verifique sempre como você está se saindo

Fique de olho em seu progresso a cada mês. Monitore sua poupança verifique se ela está crescendo de acordo com seus objetivos.

Se isso não estiver acontecendo, reavalie seu plano e determine quais as mudanças que precisam ser feitas. Isso não vai só ajudá-lo a manter o seu plano de poupança pessoal nos trilhos, mas também ajuda a perceber o que está errado mais rapidamente.

Saiba que até mesmo os melhores planejamentos financeiros podem sofrer mudanças e entenda que, se for possível, você pode melhorar a forma como guarda dinheiro para obter maiores resultados.

O perigo de não se planejar financeiramente

A falta de controle financeiro pessoal tem o potencial de causar muitos danos. Quem não tem controle sobre as próprias finanças acaba se endividando e, quanto mais dívidas você tiver hoje, mais juros pagará amanhã e assim sucessivamente, até destruir todo o seu orçamento.

Quanto mais difícil for sair do vermelho, mais você terá que cortar de suas despesas para pagar suas contas, mais afetada ficará sua a vida de forma geral, tanto pessoal quanto profissional, e pior ficará o seu nível de vida e o das pessoas que dependem de você.

Independentemente do quanto você ganhe, é importantíssimo organizar suas finanças o mais rápido possível para poder realmente administrar o dinheiro. Lembre-se: planejamento financeiro não é apenas uma questão de dinheiro, mas, sim, de disciplina.

Sair do círculo de mau consumo e do descontrole com o próprio bolso é uma questão mais do que essencial e que deve ser encarada de forma séria.

Gostou do artigo? Ficou com alguma dúvida ou quer compartilhar alguma informação? Deixe o seu comentário e continue acompanhando o nosso blog!

BAIXE NOSSO EBOOK GRÁTIS

PLANEJAMENTO FINANCEIRO PESSOAL

Neste e-book você terá acesso às melhores práticas para se planejar financeiramente. Do controle de contas a aprender como entender e controlar as despesas fixas e variáveis, passando por como definir prioridades e identificar gastos supérfluos, que podem comprometer o orçamento.

BAIXE O EBOOK AGORA
By | 2018-03-25T19:58:38+00:00 11 de março de 2018|Educação Financeira, Sucesso Financeiro|