Por que um fundo de emergência é importante

As pessoas que tiveram despesas grandes e imprevistos provavelmente irão dizer como eles foram felizes por ter um fundo de emergência ou como foi difícil conseguir dinheiro para cobrir as despesas.

Tal como acontece com a maioria das questões relacionadas às finanças, o planejamento é o fator chave para enfrentar com sucesso as tempestades que estamos sujeitos na vida. No entanto, estatísticas recentes mostram resultados bem alarmantes. Estima-se que 28% dos americanos não tenham fundo de emergência e uma pesquisa recente mostra que 49% dos canadenses com idade entre 18 e 44 anos não guardaram dinheiro para cobrir emergências.

1. Para que serve?

Um fundo de emergência é essencialmente o dinheiro que foi reservado para cobrir qualquer um dos eventos inesperados da vida. Este dinheiro permitirá que você viva por alguns meses, caso perca seu emprego ou surja algo inesperado. Pense nisso como uma apólice de seguro: ao invés de pagar prêmios a uma empresa de seguros, você está reservando dinheiro para si mesmo. Esse dinheiro pode ser acessado em uma data posterior de forma rápida e fácil caso ocorra algum evento imprevisto.

2. Determinando uma quantia

Muitos bancos e especialistas financeiros sugerem que você deve acumule pelo menos três meses de salário como fundo de emergência. Dessa forma, se você perder o emprego terá dinheiro suficiente para passar alguns meses até você conseguir um novo trabalho. Dependendo de seu estilo de vida e nível de renda, essa quantia pode variar. Primeiro, calcule quais são suas despesas de moradia. Confirme o quanto você gasta todos os meses com financiamento ou aluguel, contas de luz, gás e outros serviços além de supermercado e carro. Você deve ter pelo menos o suficiente para cobrir essas despesas por três meses, mas é desejável ter um pouco mais.

Se você e seu cônjuge trabalham é menos provável que fiquem desempregados ao mesmo tempo. Ainda assim não se deve contar com a ajuda de membros da família financeiramente estáveis. Se existem apólices de seguro que cobrem para emergências inesperadas, você poderá considerar uma quantia mínima para esse fundo de emergências. Ainda assim, todo mundo deve fazer questão de reservar pelo menos uma pequena quantia para despesas imprevistas.

3. Definindo seus objetivos

Como a maioria dos objetivos, definir um plano e cumpri-lo é o caminho mais seguro para ser bem-sucedido. Opte por abrir uma conta separada para o fundo de emergências de forma que não possa ser acessada com seu cartão de débito. Automatize transferências mensais para esta conta que deverão ocorrer assim que receber seu salário e antes de pagar qualquer coisa. O dinheiro que você não vê, não consegue gastar.

Uma vez que você tenha uma quantia suficientemente alta nesta conta, você pode diversificá-la. É possível aumentar a rentabilidade através de títulos de curto prazo ou fundos de investimento. Escolha sempre opções com liquidez diária ou semanal de forma que possa sacar o dinheiro facilmente em caso de necessidade.

4. Em que situações posso usar esse dinheiro

Pode haver momentos tentadores para usar esse dinheiro como: férias, existência de dívidas significativas, entrada em uma nova casa ou carro. Por isso você deve criar uma lista de motivos aceitáveis para usar esse dinheiro. Certifique-se de que esses motivos sejam verdadeiras situações de emergência. Algo como manter-se durante períodos de desemprego, emergências médicas, reparos em casa decorrentes de desastre natural ou incêndio ou imprevistos no carro como acidentes.

O objetivo deste fundo é evitar que você contraia uma dívida ou tenha que sair rapidamente em busca de dinheiro em momentos delicados. Garanta que essa quantia será mantida em sua conta para aquelas ocasiões em que você realmente vai precisar.

5. Poupar ou quitar as dívidas

Há muito debate sobre qual que é melhor fazer quando se trata de escolher entre quitar as dívidas primeiro ou criar seu fundo de emergência. Há vantagens e desvantagens em cada uma das opções. Pagar dívidas de altos juros sempre deve ser a sua primeira prioridade, mas isso não significa que você não deveria estar separando algum dinheiro (mesmo que pouco) para seu fundo de emergência também.

Buscar o equilíbrio é a melhor opção. Isso ajudará a construir bons hábitos com o dinheiro e impedirá que você precise pedir dinheiro emprestado se ocorrer uma emergência. Se você está em uma situação em que você está pagando as dívidas, veja o que você pode abrir mão para contribuir com seu fundo de emergência. Mesmo que sejam apenas 25 reais por mês este é o início de um bom hábito financeiro. Depois essa quantia pode aumentar à medida que sua dívida diminui.

6. A vantagem

Embora pareça desafiador ou talvez até inútil viver abaixo dos seus ganhos, você ficará feliz e aliviado por ter feito a coisa certa quando ocorrer um imprevisto. Concentre-se em mudar sua mentalidade financeira.

A única pessoa com a qual você realmente pode contar na hora da dificuldade é com você mesmo. Não confie em família, amigos, governo, apólices de seguro ou simplesmente com a sorte. Coisas ruins podem acontecer com qualquer um e trabalhar para conquistar sua saúde financeira deve ser uma prioridade tanto quanto cuidar de sua saúde física.

Fonte: http://www.investopedia.com – Traduzido e adaptado por Professores do Sucesso

BAIXE NOSSO EBOOK GRÁTIS

PLANEJAMENTO FINANCEIRO PESSOAL

Neste e-book você terá acesso às melhores práticas para se planejar financeiramente. Do controle de contas a aprender como entender e controlar as despesas fixas e variáveis, passando por como definir prioridades e identificar gastos supérfluos, que podem comprometer o orçamento.

BAIXE O EBOOK AGORA

By | 2017-06-06T12:34:57+00:00 9 de junho de 2017|Educação Financeira, Sucesso Financeiro|