15 49.0138 8.38624 arrow 1 arrow 0 4000 1 0 horizontal https://professoresdosucesso.com.br 300 0 1
theme-sticky-logo-alt
Please assign a Header Menu.
26 de setembro de 2016

Devo aprender sobre educação financeira?

Presenciamos uma grande variedade de assuntos que ganham cada vez mais visibilidade em decorrência dos avanços tecnológicos — como a expansão da internet, por exemplo.

Esse progresso nos ajuda a ampliar e a aprofundar o conhecimento que temos sobre diversos temas. Alguns desses temas em ascensão estão ligados à educação financeira.

O assunto, de modo geral, vem se tornando mais recorrente no nosso dia a dia e, apesar disso, ainda não temos o hábito de tratar esse tipo de aprendizado com a frequência e a atenção que deveríamos.

Por isso, trataremos aqui sobre algumas questões básicas relacionadas à educação financeira, que mostrarão a você por que devemos buscar esse conhecimento e como isso pode influenciar seu cotidiano. Acompanhe!

A importância da educação financeira

Há certa confusão quando falamos de educação financeira, pois geralmente a associamos somente à economia de dinheiro. Mas o ideal é olhar além disso para entender que a educação financeira nos ajuda na melhoria da qualidade de vida, em diferentes aspectos. Com ela, podemos alcançar:

  • Segurança material.
  • Liberdade financeira.
  • Proveito da vida, em termos materiais.
  • Prevenção no caso de eventuais dificuldades futuras.
  • Maior integração à sociedade.

É importante frisar que a educação financeira nos ajuda a construir uma importante base para que saibamos lidar adequadamente com nossas finanças e deixemos de agir impulsivamente. Embora vivamos a cultura do imediatismo, é essencial  pensarmos no amanhã, no alcance de objetivos de médio e longo prazo (estabelecendo o tempo necessário para a concretização dos planos, por exemplo: 6 meses, 1 ano, 5 anos) e no cumprimento de metas. Para isso, precisamos nos educar e colocar em prática todo o aprendizado obtido.

A palavra dos especialistas

A Organização de Cooperação de Desenvolvimento Econômico (OCDE), por meio do Financial Education Project, de 2004, afirma que a educação financeira guia os consumidores na elaboração de um orçamento que os ajuda a administrar sua própria renda, o que inclui fazer investimentos e guardar na poupança. Segundo o artigo, esse planejamento evita, até mesmo, que consumidores sejam vítimas de esquemas de fraude.

A crescente relevância da educação financeira nos últimos anos é fruto tanto do desenvolvimento dos mercados financeiros quanto das mudanças demográficas, econômicas e políticas pelas quais passamos.

O costume da educação financeira no Brasil

No artigo Paradigmas da Educação Financeira, José Roberto Ferreira Savoia, André Taue Saito e Flávia de Angelis Santana chamam a atenção para o fato de não existirem, no Brasil, políticas públicas que obriguem a implantação da disciplina de educação financeira nas escolas. No entanto, conteúdos similares são ensinados em disciplinas como matemática, o que não é o bastante para desenvolver satisfatoriamente a educação financeira dos cidadãos.

Felizmente, alguns órgãos têm promovido esse tipo conhecimento. Veja alguns exemplos:

  • O Banco Central do Brasil (BACEN), com o Programa de Educação Financeira, desenvolve várias ações voltadas ao tema.
  • A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) promove iniciativas voltadas à educação financeira por meio de palestras, por exemplo.
  • A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) também promove palestras e outras ações para a educação do investidor.
  • A Serasa elaborou materiais sobre organização de finanças e afins.

Outras instituições e associações, bem como a organização de eventos sobre essa temática, têm dedicado esforços para educar a população em termos financeiros.

A bibliografia disponível

Temos acesso a um número cada vez maior de livros publicados que auxiliam na nossa educação financeira, tanto de autores brasileiros quantos internacionais. Muitos se tornaram sucesso de vendas e são conhecidos mesmo por quem não tem tanto interesse no assunto. Confira alguns deles:

Pai rico, pai pobre

Esse livro de Robert T. Kiyosaki não oferece receitas prontas de como enriquecer rapidamente, mas mostra caminhos para melhorarmos a vida nesse sentido, debatendo sobre como devemos agir ao lidarmos com investimentos, sempre analisando o ambiente e as oportunidades à nossa volta.

Casais inteligentes enriquecem juntos

A página Resenha virtual julga essa obra de Gustavo Cerbasi como um dos melhores livros que visam ajudar no planejamento financeiro de casais — e frisa que é proveitosa também para solteiros.

O livro trata tanto do planejamento financeiro em si quanto do uso inteligente do dinheiro, que deve ser feito após o planejamento adequado, indicando que boas decisões são tomadas com base nos melhores investimentos disponíveis do mercado e nos objetivos do casal que está buscando enriquecer. Para Cerbasi, conforme aponta a resenha, problemas financeiros familiares podem decorrer de escolhas e decisões mal feitas.

Os segredos da mente milionária

A obra de T. Harv Eker quebra antigos paradigmas sobre dinheiro e finanças. De acordo com o autor, temos que romper com esses modelos que recebemos dos nossos pais, passando a lidar de forma diferenciada com as finanças para, assim, alcançar nossas metas.

Além da vasta quantidade de livros, há filmes que muito têm a nos ensinar sobre finanças, como O lobo de Wall Street, de Martin Scorsese, por exemplo.

A prática da educação financeira

Embora tenhamos ao nosso alcance uma vasta bibliografia que pode nos auxiliar a desenvolver e aprimorar nossa educação financeira, a grande dificuldade é encontrarmos — seja em cursos, palestras ou livros — métodos práticos que possam ser utilizados para lidarmos com as nossas finanças.

Mas alguns ramos têm inovado nesse sentido, como o portal Professores do Sucesso, que além de conteúdos diversos disponibilizados de várias formas, como em e-books e videocasts, oferece cursos nos quais é perfeitamente possível aprender a alcançar o sucesso financeiro na prática. O foco do site é a transformação das pessoas, levando-as ao desenvolvimento e à consequente concretização de metas em três frentes: pessoal, profissional e financeira.

De fato, muitos buscam organizar suas finanças não só para pagar suas dívidas e garantir bons investimentos, mas também para ter mais tempo para si e para sua família. Buscar a educação financeira lhe trará esses benefícios no curto e no longo prazo.

Sabendo de todas as vantagens que a educação financeira é capaz de nos proporcionar e dispondo de materiais modernos e de qualidade para nos desenvolvermos nesse quesito, não há mais desculpas para não investirmos nela. Capacite-se e conquiste o equilíbrio desejado.

Quer saber ainda mais sobre o assunto? Então, confira este post sobre como o descontrole financeiro pode prejudicar a nossa saúde mental!