Dar desculpas ou pedir desculpas?

Dar desculpas ou pedir desculpas?

Dar desculpas ou pedir desculpas?

Todos nós vivemos num mundo acelerado, imediatista e onde as informações parecem estar nos soterrando.

Por conta disso tenho percebido que as pessoas estão mais propensas a “dar desculpas” do que a “pedir desculpas” no que diz respeito àquilo que elas disseram que iriam fazer e não conseguiram.

Para exemplificar este cenário vou usar um caso que aconteceu comigo recentemente.

Pedi para um colega de trabalho fazer uma tarefa e ele me respondeu que a mesma seria feita no dia seguinte por uma terceira pessoa. No dia seguinte ao prazo estipulado, fui conferir se a atividade estava concluída e percebi que a mesma ainda não tinha sido feita. Ao questionar Quando fui investigar o motivo por trás do atraso recebi como explicação que, se tivesse mais algumas linhas escritas, daria um bom capítulo de novela mexicana.

A pessoa me disse todos os motivos (ou desculpas) para explicar o atraso na entrega. Em nenhum momento ela se perguntou como aquilo afetaria a minha parte do processo ou, para mim o mais importante, como isso afetaria o cliente final que estava esperando pela conclusão do trabalho.

Dar desculpas para justificar aquilo que não conseguimos concluir no prazo está se tornando uma coisa comum nas organizações. Minha percepção é que todos, do presidente ao faxineiro, possuem sempre uma história pronta para justificar por que não conseguiram concluir aquilo que era esperando dentro do prazo acordado.

Eu meu exemplo o prazo foi dado pela pessoa responsável em analisar o assunto. Mesmo tendo delegado a execução para uma terceira pessoa, ela ainda era a responsável pela conclusão da tarefa. Qualquer coisa diferente disso, não é uma questão de delegação, mas sim de “delargação”.

Se ao invés de um cliente interno eu fosse um cliente externo (aquele que efetivamente paga a conta), imagino que talvez as coisas fossem diferentes. Outra máxima organizacional que começa a se institucionalizar é que o respeito e comprometimento com o cliente deve ser utilizado apenas para aquele que estiver do lado externo da organização e pagando um bom dinheiro para ser atendido. Na verdade, quando mais estiver pagando, mais atenção, respeito e comprometimento ele merece receber.

Esquecendo um pouco a questão de relacionamento com o cliente e focando na única pessoa que pode fazer algo diferente para isso mudar, que é você, pense como você se sentiria se tivesse que pedir desculpas todas as vezes que não conseguir cumprir o que prometeu? Como seria a sensação de ter que pedir desculpas para todos os itens que forem entregues com atraso? Imagine-se pedindo desculpas para o diretor financeiro da empresa por gastar mais tempo e, consequentemente, mais dinheiro do que esperado para concluir uma etapa do projeto. Como você se sentiria?

Se ao invés de dar desculpas, você passasse a pedir mais desculpas, tenho certeza absoluta de que você procuraria alguma metodologia de produtividade eficaz para evitar se sentir assim tantas vezes ao dia, semanas, meses e anos. Concorda?

O que está faltando então? Até quando você vai se sentir confortável em dar desculpas para justificar porque não conseguiu concluir aquela tarefa simples que pediram que você fizesse?

Lembre-se: desculpas são histórias bonitas que contamos para nós mesmos para nos eximirmos da responsabilidade por alguma coisa.

Forte Abraço,

André Cruz

BAIXE NOSSO EBOOK GRÁTIS

PLANEJAMENTO FINANCEIRO PESSOAL

Neste e-book você terá acesso às melhores práticas para se planejar financeiramente. Do controle de contas a aprender como entender e controlar as despesas fixas e variáveis, passando por como definir prioridades e identificar gastos supérfluos, que podem comprometer o orçamento.

BAIXE O EBOOK AGORA
By | 2017-01-02T12:05:20+00:00 6 de agosto de 2013|Relacionamento Humano|