5 sinais de que você pode ser um comprador compulsivo

52497-x-sinais-de-que-voce-pode-ser-um-comprador-compulsivo

Há algum tempo você samba para equilibrar as contas no fim do mês, mesmo tendo uma renda relativamente confortável? Pensando bem, nem sabe dizer de que forma o dinheiro foi gasto? Admite que faz compras para se animar e relaxar? Gasta mais tempo consumindo do que gostaria?

Se você respondeu afirmativamente a essas perguntas, já passou da hora de avaliar se você é ou não é um comprador compulsivo.

O que é um comprador compulsivo

O transtorno de comprar compulsivamente, também conhecido como oneomania, consiste em um quadro de ansiedade desencadeado por comportamentos relacionados ao consumo. O mecanismo de prazer e depressão que se desenrola no cérebro é bastante semelhante ao da dependência química ou ao dos vícios em geral.

O indivíduo sente um forte impulso, uma necessidade extrema de consumir. Essa aflição só é saciada com a posse de determinados objetos de desejo. A satisfação, no entanto, é temporária e tende a ser rapidamente substituída pela culpa em decorrência do descontrole financeiro e da ruína nas contas bancárias.

Principais sinais de um comprador compulsivo

Estima-se que 5% da população americana sofra desse mal. O percentual deve ser semelhante no Brasil. Logo, nem todo inadimplente é um comprador compulsivo. Para saber se você sofre com o problema, preste atenção a estes sinais:

1. Ter pensamento fixo nas compras

Você precisa se concentrar em uma tarefa no trabalho ou em uma conversa com um familiar, mas só consegue pensar naquele item que quer comprar. Sem mais nem menos, o assunto surge na conversa, trazido à tona por você. A hora parece se arrastar até que você consiga finalmente se livrar de tudo e ir até a loja onde o produto está esperando para ser levado.

Se você se identifica com essa descrição, é um sinal importante a considerar.

2. Ter dívidas maiores do que a renda mensal

E não, não estamos falando da sonhada compra da casa própria, cujo valor é seguramente alto, mas que vai ser pago em prestações. Estamos nos referindo àquela jaqueta de couro de grife cujo preço supera em três vezes o seu salário, ao perfume importado, ao relógio de ouro, etc.

Muitas vezes, são itens desnecessários e supérfluos, que serão pouco ou nada usados no cotidiano, e que provocam grandes danos à sua saúde financeira.

3. Preferir ir sozinho às compras para não ser repreendido

Você evita passear no shopping junto de amigos ou parentes porque já sabe que seu comportamento será questionado. Não vai resistir aos impulsos, não vai pesquisar preços e vai comprar coisas que nem mesmo deseja, pelo simples prazer de comprar, como faz cotidianamente.

Quando isso começa a afetar suas relações porque as pessoas percebem que você está se prejudicando para saciar esse desejo irracional de consumo, já passou da hora de procurar ajuda.

4. Sempre gastar mais do que o planejado

Suas planilhas de gastos já viraram uma peça de ficção há tempos, já que você simplesmente não é capaz de seguir qualquer planejamento mensal e se atropela nas compras. Com isso, acumula dívidas e começa a diminuir a qualidade de vida daqueles que estão ao seu lado, impondo-lhes sacrifícios para quitarem os débitos da sua compulsão.

5. Ter o hábito de pedir dinheiro emprestado

Você já apelou para familiares, amigos e instituições financeiras. E, tendo obtido empréstimos com todos eles, não consegue mais pagar ninguém simplesmente porque nada mudou no seu estilo de comprador compulsivo.

Os resultados são dois: endividamento (graças aos juros extorsivos) e prejuízo inestimável para suas relações afetivas. Você deixa de ser uma pessoa confiável e passa a ser evitado pelos mais chegados. O isolamento pode levá-lo a se afundar ainda mais nas compras.

Como deixar de ser um comprador compulsivo

Se você se identificou com os sinais descritos acima, sem dúvida, precisa de ajuda. Mas, antes de mais nada, acalme-se. Existe tratamento e solução.

Agora, leia com atenção estas mudanças estruturais que são propostas por especialistas:

1. Consulte um especialista

Vale a pena ouvir tanto um psicólogo quanto um expert em finanças domésticas. O primeiro poderá identificar as raízes da compulsão e tratá-la, enquanto o segundo poderá atuar para sanar os efeitos danosos das dívidas excessivas.

2. Tenha metas e persiga-as

Procure ter sonhos maiores que envolvam o seu dinheiro e crie maneiras de se engajar nesses projetos. Assim que você receber seu salário, reserve uma parte dele para economizar — em uma forma de aplicação que você não possa acessar. Isso trará a satisfação de perceber que pode estabelecer controles sobre sua vida financeira e amenizar a culpa.

3. Substitua o prazer do consumo por outro tipo de prazer

Sabe aquele prazer que vem com aquela compra parcelada em muitas vezes? Então, ele é uma descarga de neurotransmissores cerebrais que podem ser obtidos de maneira mais saudável e feliz.

Que tal experimentar as vantagens dos exercícios físicos: aulas de dança? Pedalar ao ar livre? Aprender uma nova atividade, como cozinhar, ler um livro ou encontrar os amigos? Cada pessoa terá sua atividade de predileção. Descubra a sua!

Dicas rápidas para garantir o sucesso da mudança

Para facilitar sua trajetória de ex-comprador compulsivo, veja aqui hábitos cotidianos que, uma vez adotados, vão te ajudar a conter a compulsão:

  • Diminua seu limite no cartão de crédito (limites elásticos são ótimos para que percamos o controle).
  • Prefira pagar suas compras no dinheiro (e se você está sem dinheiro, não compre).
  • No momento da compra, se force a responder a pergunta: “preciso realmente disso que estou comprando?” Em caso negativo, desista imediatamente da compra.
  • Anote tudo o que você compra diariamente (e não deixe nada para depois, para não correr o risco de esquecer).
  • Antes de ir ao supermercado, faça uma lista do que está faltando na despensa — e compre só o que estiver na lista.
  • Não faça passeios no shopping ou em centros comerciais. Vá passear em parques, ao ar livre, no museu, na casa de amigos…
  • Estabeleça uma cota diária de gastos. Nos fins de semanas, permita-se um pouco mais. Em dias de semana, menos.

Em um mundo em que tudo parece feito para ser consumido, gastar menos é sempre um desafio. Para o comprador impulsivo, esse é um esforço hercúleo. Mas a batalha pode ser vencida!

Gostou deste artigo? Então leia também estas seis dicas sobre como gastar menos no dia a dia!

BAIXE NOSSO EBOOK GRÁTIS

MAIS CLIENTES PARA O SEU NEGÓCIO

Se por um lado as redes sociais são ótimas formas de se divertir, elas também são peças-chave para um marketing digital de qualidade. Não à toa, cada vez mais empresas marcam presença nas principais redes sociais de modo a conseguir mais clientes. Mas você sabe que mesmo sendo um profissional liberal você também pode se aproveitar o uso dessas redes?

BAIXE O EBOOK AGORA

By | 2017-01-29T18:22:51+00:00 9 de janeiro de 2017|Educação Financeira, Sucesso Financeiro|